O FUTURO DA HUMANIDE - REFLEXÕES






segunda-feira, 21 de maio de 2012

0054 - UMA PREFERÊNCIA TRÁGICA À POSSIBILIDADE DO PENSAMENTO ATEU.

Nascer, crescer, viver, sofrer, ser feliz, envelhecer, adoecer e morrer, processos incompreensíveis, às vezes assustadores, mas creio, propositais.  Pensar, entretanto, que tudo se acaba com a morte, é pior, aterrorizante. Preferível seria que o Sol atraísse, já,  esta  esfera azul, nos transformando imediatamente numa explosãozinha,  num delgado fio de fumaça, se quer percebidos pelo  universo, dada a nossa insignificância perante a imensidão cósmica.




                                                Antonio Ferreira Rosa

                    

4 comentários:

Márcio disse...

Perceba que tudo é transformação, a matéria e a energia se transformam apenas, são indestrutíveis.
Um corpo que morre apenas se transforma, seus componentes vão fazer parte de outra configuração que pode ser um outro ser vivo.
O universo funciona assim, os eventos criando formas e mais formas, arranjos que por vezes se esfacelam formando outros.

Entretanto, a consciência, pobre consciência, manipuladora de informações, formadora de conceitos, essa parece ser a única coisa que perece de fato com a falta do suporte cerebral. Que ironia!

Doce é a ilusão de que a consciência é imortal!

Antonio Ferreira Rosa disse...

Grande Márcio!

Muito boas suas colocaçôes. Absolutamente verdadeiras no primeiro e no segundo parágrafo.
Grandiosíssima é possibilidade de serem totalmente falsos, o terceiro e o quarto parágrafo. Vou te dizer porque: no futuro quando um corpo estiver envelhecido conectaremos seu cérebro a um computador copiaremos tudo que tem dentro dele e colocaremos num corpo 0km, completo, copiado e produzido apartir, até mesmo de uma única célula do corpo velho, ou mesmo um outro corpo qualquer produzido para este fim.

Exatamente como fazemos hoje com um computador velho copiamos seu arquivo e colocamos num computador novo.
Você sabe que hoje, muitos séculos antes dessa realidade, Já estamos produzindo tecidos apartir de células tronco, este fato é apenas a pré história do que estou afirmando.

Voce poderá dizer, até lá nos, os primitivos viramos poeira do cosmos. Engano, este processo a que me referi, sob de uma tecnologia milhares de anos a nossa frente, já acontece hoje. Executado por quem está por trás da nossa aventura terrena. "Deus"? Quem sabe uma civilização que já atingiu o conhecimento absoluto?
dê o nome que se quizer...

Abraços Márcio

Márcio disse...

Caro Antônio!

Veja bem! Mesmo se fosse possível copiar todas as informações e arranjos que há em um cérebro para um outro ''virgem'', a cópia não seria o ser original, seria apenas o que é, uma cópia, um outro ser apenas semelhante.
Se copiassem todo o meu sistema cerebral para outro cérebro isso se daria em um determinado momento, à partir dai a minha cópia seria um outro ser que inclusive interagiria comigo, ocuparia outro espaço teria outras ações de acordo com os elementos à volta e os inputs recebidos por ele.
Uma consciência é única, cópias se fossem possíveis, seriam outras consciências. Um computador atual não possui consciência, dados estáticos podem ser copiados ad infinitum, mas a consciência é muito mais que apenas dados que podem ser reproduzidos. Cada consciência é única porque não é só um banco de dados, é um sistema complexo funcionando com esses dados e os outros que vão sendo incorporados.
Penso eu que se a máquina cerebral parar de funcionar, a consciência se perde para sempre, nesse sentido a consciência parece ser apenas uma propriedade do cérebro.
E reitero aquilo que disse antes à respeito do conhecimento absoluto, seja lá o que for isso, ele não pode ser alcançado por seres limitados no tempo e espaço do universo. Tal conhecimento absoluto só poderia existir numa consciência universal se o universo suportasse algum tipo de sistema que provesse tal consciência.
Outra coisa a se pensar: o conhecimento absoluto em um ser seria a estagnação dele, só a falta de conhecimentos específicos é que nós move cada vez mais adiante, nos dá sentido e graça na procura de entendimento, é o que nos faz ser o que somos, consciências sedentas por desvendar o desconhecido que nunca será totalmente nosso.

Abraços!

Antonio Ferreira Rosa disse...

Márcio.

Em primeiro lugar obrigado por me apoiar na questão do “ônus da prova” no debate sobre o texto do Caio, no Blog do Barros. Você tem uma posição bastante coerente sobre a questão da polêmica Ateísmo x Teísmo.

Sobre seu comentário aqui no meu Blog quero dizer que fui infeliz quando usei a expressão “cópia”. Não se trata de copiar “algo”, mas, transferir “algo”, em sua totalidade, de um lugar velho para um lugar novo. (Vale lembrar que, penso, no processo evolutivo, isto ainda será coisa relativamente primitiva)

Márcio, para mim isto é tão certo quanto dizer que o homem irá a Marte daqui há vinte ou trinta anos, é tão certo quanto dizer que daqui a cem anos, o homem terá inventado a cura pra todas as doenças que hoje assolam a humanidade, inclusive as mentais, neurológicas, degenerativas e traumáticas do sistema nervoso. Não com drogas e cirurgias, mas, pela interferência em nosso genoma, pela evolução das terapias com a substituição de tecidos criados a partir das células-tronco. Esta tecnologia, em particular, eliminará o abate de animais. As carnes serão produzidas industrialmente, através deste processo. Que também será primitivo, já que num futuro posterior o homem se alimentará somente dos elementos químicos puros, necessários ao seu organismo.
Posso estar errado em relação ao tempo estimado, jamais em relação às essências do que afirmo.

Transferir a essência ou a energia, ou ser verdadeiro que, religiosamente, chamamos alma ou espíritos, significa transferir pensamentos, emoções, sentimentos, lembranças, conhecimentos, experiências, a consciência enfim, etc. Estas são as únicas coisas que, penso eu, jamais serão destruídas, simplesmente porque transcendem ao tempo, ao espaço e à matéria. A matéria que forma o nosso corpo, esta sim, podemos encontrar em qualquer galáxia do universo. Penso que uma forma de superação das dimensões tempo, espaço e matéria, está exatamente no fato de que essa essência a que me referi pode existir e viajar desconsiderando o efeito das três dimensões.
Apenas pensamos em um lugar distante cem milhões de anos luz, da mesma forma, pensamos cem bilhões de anos luz, por exemplo, e lá estaremos, instantaneamente, no tempo que o pensamento leva pra chegar, chegaremos. O que estou dizendo é devaneio é ficção, hoje. No fim da evolução, não será. Será realidade, penso eu.

Sobre a questão que você coloca acerca do tédio ou falta de estímulos para a vida no CONHECIMENTO ABSOLUTO, digo, quem sabe não é esta a explicação para a nossa odisséia terrena? Quem sabe se esta aventura que vivemos aqui não é apena uma dentro de ciclo interminável de outros tipos de aventuras, ou de opções outras inimagináveis?

Marcio, é sempre um prazer filosofar contigo, este papo poderia ir muito longe.

Grande abraço!